Como o Uber afetou o transporte público de Londrina

Texto, foto, áudio e vídeo: Guilherme Bernardi

 

FOTO 1

Ônibus lotados são comuns no dia a dia dos alunos da UEL

 

O Uber chegou em Londrina em agosto de 2016, mas se popularizou apenas em 2017. A novidade foi bem aceita pelos londrinenses, principalmente por ser uma forma mais barata do que o táxi e mais confortável do que o transporte público.

 

 

Em apenas um ano, o número de motoristas de Uber no Brasil aumentou dez vezes e o impacto no transporte público foi grande. Em Londrina, a CMTU (Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização) calculou uma diminuição de 8% no número de usuários mensais em 2017 ou 320 mil viagens a menos todos os meses. O gerente da companhia, Wilson de Jesus, atribuiu essa queda à concorrência com aplicativos de transporte.

Ainda em 2017, no final do ano, o passe livre foi cortado. A medida havia sido expandida pelo então prefeito Alexandre Kireeff para todos os estudantes londrinenses em 2016. No ano seguinte, já com Marcelo Belinati (PP) na prefeitura, o benefício foi cortado e voltou a ser de 50%, seguindo a lei federal que garante esse direito aos estudantes. Além disso, a passagem de ônibus subiu de R$ 3,75 para R$ 3,95 em 2018.

Gabriela Bosco, aluna da UEL (Universidade Estadual de Londrina), demorou a fazer o cadastro para requerer o benefício do passe estudantil. Com ele, cada ida ou volta para a universidade custaria R$ 1,97 – o que em um mês com 20 dias letivos e duas passagens por dia corresponderia a R$ 78,80. Enquanto não tinha o passe estudantil, ela e mais três amigas combinavam de ir de Uber de manhã para a aula, pois chegava a custar o mesmo valor ou até mais barato.

 

 

O conforto e a segurança são outros pontos a serem levados em conta. Alunos do noturno, por exemplo, quando saem da aula muito tarde escolhem dividir o Uber a esperar o ônibus. É o caso de César Rezende, também aluno da UEL, que depois de dias cheios, entre o mestrado e a graduação, prefere gastar um pouco a mais e chegar mais rapidamente em casa. “O Uber acaba sendo uma alternativa viável já que a gente se junta em dois ou três amigos. Acabo gastando o mesmo valor e às vezes até menos do que se tivesse optador por ir de ônibus, sem contar a agilidade que também é um ponto a ser considerado”, explica o mestrando.

Tanto ele quanto Bosco moram no centro da cidade. Um Uber para a UEL, com preço normal, fica em torno de R$ 12, quase o mesmo valor de três passagens inteiras ou seis meias. Em quatro pessoas, o valor para cada é de R$ 3 e o tempo de viagem é de 15 minutos até a porta de suas casas, contra os cerca de 25 minutos do ônibus até o Terminal Central da cidade.

 

LEIA MAIS

A dificuldade de locomoção dos estudantes da UEL

Paixão pelo ciclismo cresce entre londrinenses

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s