Estudantes cegos se esforçam para acompanhar as aulas usando o braile

Texto, fotos e áudio: Matheus Camargo

 

A UEL (Universidade Estadual de Londrina) possui equipamentos específicos para atender os estudantes que possuem deficiência visual.

O NAC (Núcleo de Acessibilidade) é o órgão que controla o uso da máquina de escrever e da impressora em braile, que são constantemente utilizados pelos irmãos Anderson e André Alcântara, alunos de letras, os dois únicos estudantes da UEL que possuem falta total de visão.

“Essa acessibilidade foi um dos motivos de escolher o curso. O acesso ao material é mais fácil, por causa do curso, que não tem desenho e essas coisas, sempre é mais fácil encontrar no braile”, apontou André Alcântara, que está no segundo ano do curso de graduação.

Porém, nem todo o material passado pelos professores pode ser encontrado em braile. Segundo Anderson, quando o material não está disponível, a saída é utilizar um programa que lê os textos em PDF no próprio computador.

 

imagem 2

Anderson lendo um dos textos em braile

 

“Às vezes não tem o material nem em PDF na internet ou então não encontramos em lugar nenhum, a saída é alguém ler”, disse Anderson, estudante do primeiro ano.

Para escrever, os estudantes utilizam a reglete, uma ferramenta que fura o papel para formar o código braile. André, inclusive, escreveu um artigo utilizando somente o equipamento.

 

Imagem 1

André usa a reglete para escrever em braile

 

O planejamento para as aulas de 2019 já começou no Departamento de Letras e a ideia é melhorar ainda mais a acessibilidade aos irmãos. Já foi definido que o material, especialmente nas turmas de Anderson e André, deve ser disponibilizado com ainda mais antecedência.

“Os textos que eles vão usar, disponibilizaremos com ainda mais antecedência do que tem sido feito. A UEL também vem realizando outras melhorias, colocará o piso tátil, colocou as plaquinhas nas paredes em braile para ambos se sinalizarem”, disse Marcelo Silveira, coordenador do colegiado do curso de letras.

NAC

Segundo Ingrid Ausec, psicóloga do NAC, os equipamentos são utilizados especialmente para provas e trabalhos. A impressora em braile tem, porém, um problema que restringe o uso, já que triplica o tamanho de todos os textos que são solicitados pelos estudantes.

 

 

LEIA MAIS

Cotas raciais: a divisão do privilégio universitário

Discussão sobre gênero cria polêmica dentro e fora da escola

Escola de Londrina incentiva a iniciação científica entre jovens

Escolas “cristãs”: educação e religião se misturam?

Educação e cidadania: conheça o Centro Social Dom Bosco

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s