Botão do pânico promete segurança a vítimas de violência doméstica

Texto: Raquel Pimentel

 

No final de outubro, Londrina firmou um termo de convênio com o Governo do Paraná para a implantação de um dispositivo de segurança preventiva para mulheres, popularmente conhecido como “botão do pânico”. A iniciativa tem como objetivo coibir a reincidência de agressões a vítimas de violência doméstica e familiar que dispõem de medidas protetivas de urgência.

O aparelho ficará conectado via internet à Central de Emergência Patrulha Maria da Penha da Guarda Municipal (GM), segmento especializado que lida com as ocorrências em questão. Quando houver ameaça ou descumprimento da medida de proteção, a mulher poderá pressionar o botão, contatando a GM, que imediatamente irá a seu encontro.

Quando acionado, o aparelho fornecerá à guarda informações sobre a localização geográfica da vítima, captará o áudio ao redor transmitindo-o à central e disponibilizará instantaneamente o acesso a informações da vítima, da ficha do agressor e da queixa prestada pela mulher, auxiliando na prestação do serviço de socorro.

Segundo o supervisor da Guarda Municipal, Éder José Pimenta, o botão vai conferir maior agilidade à ação da patrulha. “O aparato vai fornecer mais segurança às mulheres e agilizar o nosso trabalho, já que disponibilizará informações exatas sobre a localização, o áudio, os dados da vítima e do agressor. Isso vai permitir uma resposta mais rápida e eficiente e evitar que o pior aconteça”, explicou.

 

FOTO

Conectado à internet, quando acionado o dispositivo vai fornecer informações e áudio à Guarda Municipal (Crédito: divulgação)

 

De acordo com a secretária municipal de Políticas para as Mulheres, Maria Inês Galvão de Mello, o aparato vai garantir maior efetividade à Lei Maria da Penha. “Em muitos casos, a expedição de uma ordem que proíbe que o agressor se aproxime da vítima não inibe a reincidência dos casos de violência. Portanto, o mecanismo vai tornar a Lei Maria da Penha mais eficiente, coibindo os homens a praticar contra a sua parceira atos de violência que, na maioria das vezes, têm finais trágicos”, expôs.

Vitória (ES) foi a primeira cidade a implementar a iniciativa, que apresentou efetividade e tem se difundido para outros estados do Brasil. Até o momento, além de Londrina, no Paraná apenas os municípios de Irati e Curitiba assinaram termo para implantação do botão. A proposta, que está em fase de licitação, deve começar a funcionar no ano que vem.

 

LEIA MAIS

Como a religião afeta o sexo e a política no Brasil

Discussão sobre gênero cria polêmica dentro e fora da escola

Empreendedorismo feminino: uma alternativa para mulheres

Invisibilizado, futebol feminino fica de escanteio no Brasil

Lugar de mulher é na cozinha, mas em qual?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s