UEL abriga, pelo menos, 174 espécies de aves no campus

Texto, áudios e vídeos: Fernando Buchhorn Jr.

 

Fechar os olhos e abrir os ouvidos. Esta é a principal instrução para que qualquer um perceba que na Universidade Estadual de Londrina (UEL), além dos milhares de professores, estudantes e livros, há centenas de aves. Especificamente, 174 espécies, registradas na área do campus. Número considerado alto, tendo em vista que existem 700 no Paraná. Ou seja, mais de um sétimo das espécies do estado também está presente na UEL.

 

500px Photo ID: 116955723 - A little woodpecker at UEL (Universidade Estadual de Londrina)

500px Photo ID: 116955725 - A little woodpecker at UEL (Universidade Estadual de Londrina)

Benedito-de-testa-amarela (Melanerpes flavifrons), conhecido popularmente como pica-pau (Créditos: Fernando Buchhorn Jr.)

 

Biólogo, pesquisador de ecologia de aves e professor do Centro de Ciências Biológicas (CCB), Luiz dos Anjos afirma que a grande quantidade se deve ao fato da UEL ser bem arborizada. Composta por muitas árvores frutíferas, a região do campus atrai tanto aves frugívoras (que se alimentam de frutos), como insetívoras (que se alimentam de insetos).

 

 

As espécies foram contabilizadas em um estudo realizado entre janeiro de 2001 e dezembro de 2002 pelo então aluno Edson Lopes e o professor Luiz dos Anjos. A pesquisa sobre a avifauna do campus só foi publicada quatro anos depois, em 2006. À época, uma trilha padrão foi percorrida mensalmente na UEL e as aves registradas à medida que eram vistas ou escutadas pelos pesquisadores. Entre elas estão 13 espécies de beija-flores, oito de pica-paus, sete de psitacídeos (família das araras, papagaios, maritacas e periquitos) e uma de tucano.

 

Foto 3

Tucano-de-bico-verde (Ramphastos dicolorus) (Crédito: Jorge Corrêa/Coordenadoria de Comunicação Social da UEL)

 

Segundo Anjos, passados 16 anos da conclusão da pesquisa e 12 da publicação, é possível que novas espécies tenham aparecido na UEL, sendo necessário, portanto, um novo estudo. Em 2013, um tucano-de-bico-verde – espécie não registrada até 2002 – foi fotografado no campus. A mesma espécie também foi vista no ano passado.

 

 

Aluna do primeiro ano de biologia na UEL, Laura Facci Torezan faz parte do grupo de pesquisa do professor Luiz dos Anjos. Laura estuda o impacto das perturbações causadas pelo homem em aves de florestas da região e em que medida esses animais conseguem se adaptar às mesmas mudanças, ocupando regiões urbanizadas. Interessada por aves desde os 12 anos, a estudante explica a importância desses seres para o ecossistema.

 

 

Tanto Laura como Anjos deixam claro que a melhor maneira de se aproximar da biodiversidade de aves da UEL é se desligar um pouco da rotina diária, retirar os fones, fechar os olhos e simplesmente ouvir, tentando identificar o máximo possível de sons diferentes no ambiente.

 

 

Laura indica também o site WikiAves, a enciclopédia das aves do Brasil, no qual é possível pesquisar aves pelo nome científico e popular, vê-las, ouvi-las e encontrar mais informações e curiosidades.

 

LEIA MAIS

UEL oferecerá curso de nutrição a partir de 2020

Terapia feita com cães em hospitais: conheça os “Petiatras”!

Por que a castração de animais é tão importante para a sociedade?

Urban Sketchers: uma comunidade de apaixonados pelo desenho

Praticantes de meditação buscam melhorar atenção e equilíbrio mental

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s