Xadrez nas escolas: muito além do raciocínio lógico

Texto, foto e áudio: Heloisa Keiko

 

Quando se fala na prática de esportes nas escolas, o mais comum é lembrar das aulas de educação física, que envolvem exercícios e atividades físicas. No entanto, uma modalidade que vem ganhando força no ensino básico exige muito menos esforço corporal e mais raciocínio lógico – o xadrez.

Juliana Ishikawa começou a jogar xadrez aos 13 anos a convite de uma amiga, que praticava o esporte em aulas particulares oferecidas pela escola em que estudavam. Depois de praticar com os colegas, Juliana passou a jogar em torneios – até que, em 2013, aos 15 anos, foi campeã paranaense de xadrez, e teve a chance de representar o estado no campeonato brasileiro, no qual conquistou o oitavo lugar. Durante a faculdade, a enxadrista deu aulas do esporte para crianças em uma escola, além de participar de alguns campeonatos pela universidade em que estudava.

 

Foto Juliana

Campeã paranaense de xadrez, Juliana pratica o esporte desde os 13 anos

 

Além de conquistar prêmios e vencer campeonatos, Juliana acredita que os maiores benefícios da prática do xadrez para sua vida foram os valores que aprendeu com o esporte.

 

 

Para Juliana, o xadrez foi essencial para que ela aprendesse a lidar sozinha com seus problemas – por ser um esporte individual, o xadrez obriga os jogadores a tomarem as decisões da partida por conta própria, sem consultar o treinador ou os parceiros da equipe, como é permitido em jogos de grupo. Além disso, a enxadrista também acredita que o esporte ajude a desenvolver habilidades como o raciocínio lógico e a maior facilidade em realizar cálculos, especialmente quando praticado desde a infância, na escola. “Mas essas vantagens do xadrez, para mim, ainda são menos importantes do que aquelas que a criança pode levar para a vida”, afirma Juliana.

Durante o período em que deu aulas de xadrez para crianças, Juliana também percebeu o desenvolvimento de outras habilidades – como a disciplina, o respeito ao próximo e a noção de causa e consequência. “Durante as partidas, é sempre importante respeitar o oponente e saber que as decisões tomadas nas jogadas terão consequências, e é preciso estar preparado para aceitá-las independentemente do resultado”, afirma a enxadrista.

 

LEIA MAIS

Praticantes de meditação buscam melhorar atenção e equilíbrio mental

Urban Sketchers: uma comunidade de apaixonados pelo desenho

Tiro com arco melhora postura, estresse e até autoestima

Sumô: desafios existem dentro e fora dos ringues

Primos da Cida: 21 anos de trajetória na música

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s