Vista esta camisa: empreenda como uma garota

Texto, áudios e vídeo: Júlia Marroni

 

Empreendedorismo feminino é o termo usado para designar mulheres que criam e administram seus próprios negócios. Pode parecer simples, mas essa é uma prática poderosa capaz de promover transformações sociais, além de ajudar na economia do país.

Segundo uma pesquisa realizada em 2016 pelo Serasa Experian, 43% dos negócios no Brasil eram comandados por mulheres. Em um ambiente de negócios majoritariamente masculino, uma mulher se depara com muitos obstáculos para ter seu trabalho reconhecido. O empreendedorismo fortalece a liderança feminina, amplia o espaço e a visibilidade das mulheres e contribui na quebra de várias barreiras sociais.

Muitas mulheres já romperam com o histórico papel social de dona do lar e, hoje, podem escolher entre ficar em casa, assumir um cargo de destaque em uma grande empresa ou fazer os dois. De acordo com o Governo Federal, em 2017, três em cada quatro lares brasileiros eram chefiados por mulheres – destas, 41% tinham o seu próprio negócio.

Quando o assunto é empreendedorismo, o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas) é a principal referencia no Brasil. Liciana Aparecida Pedroso é representante da entidade e explica a filosofia da empresa: “Buscamos promover a competitividade e o desenvolvimento sustentável das micro e pequenas empresas formais e informais, além de estimular o empreendedorismo e incentivar pessoas interessadas em abrir um negócio”. Pensando nisso, o Sebrae deu cinco dicas para alcançar a independência financeira.

 

 

Um exemplo de empreendedorismo feminino, em Londrina, é a empresa Old Lady – idealizada pelas cunhadas Leticia Massuco, 24 anos, e Tamires Yiwanaga, 26 anos, que transformaram sua relação familiar em uma marca de bordado feminista. O nome Old Lady (senhora, na tradução do inglês) surgiu com a proposta de  unir o novo e o antigo: “O bordado da vovozinha de um  jeito diferentão”, segundo elas. De acordo com Tamires, a parte mais difícil na hora de empreender é sair da zona de conforto, afinal esse é um processo difícil e trabalhoso.

 

 

02

Depois de empreender (Crédito: Júlia Marroni)

 

Tamires complementa que a troca de conhecimento e experiência é essencial para o sucesso de qualquer empresa.

 

 

03

A assinatura da marca se dá em forma de bordado (Crédito: Júlia Marroni)

 

“Vegan vibes”, “Baby girl” e “I’m a 90’s fashionista” são apenas alguns dos bordados de maior sucesso da marca. Os pedidos são feitos por encomenda e o preço varia de acordo com o tamanho e a dificuldade do bordado.

Confira mais bordados:

 

01

Todas as camisetas são entregues em casa em uma sacola personalizada (Crédito: Instagram @oldladybordados)

 

02

O slogan da marca (Crédito: Instagram @oldladybordados)

 

03

“The future is female” (Crédito: Instagram @oldladybordados)

 

04

Detalhe do bordado “The future is female” (Crédito: Instagram @oldladybordados)

 

05

Foto promocional do bordado “Don’t kill my vibe” (Crédito: Instagram @oldladybordados)

 

06

“Bela, recatada e da rua” (Crédito: Instagram @oldladybordados)

 

07

“I know my value” – “Eu sei meu valor”, na tradução literal do inglês (Crédito: Instagram @oldladybordados)

 

08

Detalhe do bordado (Crédito: Instagram @oldladybordados)

 

LEIA MAIS

A arte de desenhar na pele: a origem da tatuagem

Além da atuação: a presença feminina no cinema

Ginastas londrinenses vão representar Brasil em torneios internacionais

Muay thai é a luta do momento entre as mulheres

Projeto londrinense de futebol feminino coleciona títulos

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s